A Batalha de Maldon (tradução do inglês antigo para o português) [The Battle of Maldon (translation from Old English to Portuguese)]

of 23
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Information Report
Category:

Finance

Published:

Views: 26 | Pages: 23

Extension: PDF | Download: 0

Share
Description
A Batalha de Maldon (tradução do inglês antigo para o português) [The Battle of Maldon (translation from Old English to Portuguese)]
Tags
Transcript
  Brathair   12 (1), 2012: 161-183.ISSN 1519-9053   http://www.brathair.com161 TRADUÇÃO  A Batalha de Maldon Prof. Dr. Elton O. S. Medeiros Doutor em História Social-USPeosmedeiros@hotmail.com Introdução Entre os relatos sobre o reinado de Æthelred II (978-1016) durante a segundaonda de invasores escandinavos que assolou a Inglaterra, talvez o mais famoso seja oconfronto do exército inglês liderado por Byrhnoth, ealdorman de Essex, contra umgrande exército viking. Apesar de certas discrepâncias na Crônica Anglo-Saxônica arespeito da data do acontecimento, acredita-se que este tenha ocorrido no ano de 991.Segundo a Crônica , os invasores teriam chegado à Inglaterra e saqueado a cidade deIpswich e então direcionaram-se para Maldon na região de Essex. O relato desteconfronto foi registrado na Crônica Anglo-Saxônica em forma poética, como umahomenagem àqueles que pereceram em combate, exaltando sua coragem e determinaçãofrente à derrota.O poema  A Batalha de Maldon , assim chamado desde o século XIX, sobreviveuem 325 versos em inglês-antigo, mas com seu início e final fragmentado. A história deseu manuscrito anterior ao século XVII é obscura, pois foi só por volta de 1621 que eleteria sido identificado e catalogado como parte de uma coleção de manuscritospertencente a coleção de Sir Robert Cotton (1571-1631), sob o nome Othon A.XII  .Infelizmente, o manuscrito foi completamente destruído no incêndio da coleção em1731. Contudo, poucos anos antes, David Casley – responsável na época pela coleção –havia feito uma transcrição do texto, da qual todas as edições e traduções modernas sãobaseadas.O poema começa com Byrhnoth reunindo seus homens junto ao rio dascercanias de Maldon e os vikings os aguardando na margem oposta. Os escandinavosenviam um mensageiro que exige que os anglo-saxões lhes paguem tributo ( danegeld  )para evitar o combate e para eles (os vikings) irem embora, mas os ingleses desdenhame zombam do mensageiro, prometendo-lhe pagar com golpes de lanças e espadas. Coma subida da maré, fica claro que os vikings só podem atacar através de uma estreita faixade terra que os ingleses conseguem defender facilmente. Entretanto, Byrhtnoth cometeum grande erro tático. Para confrontar seu inimigo, ele permite que os vikingsatravessem o rio para poder enfrenta-los em terra seca. O poeta utiliza-se de termoscomo “conceder muito terreno” e palavras como ofermod  (literalmente “orgulho”) ao sereferir à atitude do ealdorman , claramente como uma crítica, o que acaba sendosuplantado com as ações decorrentes do confronto, pelas atitudes de Byrhtnoth e seushomens.  Brathair   12 (1), 2012: 161-183.ISSN 1519-9053   http://www.brathair.com162 No restante do texto há a descrição da batalha, alternando cenas de encontrosindividuais e cenas gerais de confusão e morte. É então que o poema demonstra suaimportância ao retratar cenas e exemplos de extrema lealdade – elemento que nãoapenas permeia o texto como é seu tema principal – em contraste com cenas dedeslealdade e covardia. Neste momento da narrativa encontraremos duas passagensfamosas do poema e da poesia anglo-saxônica: o discurso de Byrhtnoth para elevar amoral de seus homens (versos 312 – 313) e a postura de seus principais guerreiros que,após a morte de seu líder frente aos invasores e apesar da derrota ser certa, decidempermanecer no campo de batalha para honrar seus votos de lealdade e vingar a morte deByrhtnoth, o que pode nos fazer lembrar em muito, por exemplo, o relato de Heródotosobre o rei Leônidas e seus homens na batalha das Termópilas devido à similaridadetemática de coragem e lealdade.A atual tradução de  A Batalha de Maldon foi feita a partir do texto srcinal eminglês antigo da edição de George Phillip Krapp e Elliot van Kirk Dobbie, The Anglo-Saxon Poetic Records vol. VI  (1942), e que acompanha a minha tradução para oportuguês. Esta, por sua vez, diferente do srcinal, foi realizada em prosa. Isto devido aofato de ser uma forma mais fácil de trabalhar – em função das particularidades do versoem inglês-antigo, das aliterações e demais elementos da escrita poética – e também porfacilitar a leitura daquele que toma seu primeiro contato com o texto. Ainda assim foimantida uma tradução que se mantivesse o mais próximo possível do srcinal, de seucontexto e significado.  Brathair   12 (1), 2012: 161-183.ISSN 1519-9053   http://www.brathair.com163 A Batalha de Maldon (British Library, Cotton Otho A XII)... brocen wurde.Het þa hyssa hwæne hors forlætan,feor afysan, and forð gangan,hicgan to handum and to hige godum.5Þa þæt Offan mæg ærest onfunde,þæt se eorl nolde yrhðo geþolian,he let him þa of handon leofne fleoganhafoc wið þæs holtes, and to þære hilde stop;be þam man mihte oncnawan þæt se cniht nolde10wacian æt þam wige, þa he to wæpnum feng.Eac him wolde Eadric his ealdre gelæstan,frean to gefeohte, ongan þa forð berangar to guþe. He hæfde god geþancþa hwile þe he mid handum healdan mihte15bord and bradswurd; beot he gelæsteþa he ætforan his frean feohtan sceolde.ða þær Byrhtnoð ongan beornas trymian,rad and rædde, rincum tæhtehu hi sceoldon standan and þone stede healdan,20and bæd þæt hyra randas rihte heoldonfæste mid folman, and ne forhtedon na.þa he hæfde þæt folc fægere getrymmed,he lihte þa mid leodon þær him leofost wæs,þær he his heorðwerod holdost wiste.25þa stod on stæðe, stiðlice clypodewicinga ar, wordum mælde,se on beot abead brimliþendraærænde to þam eorle, þær he on ofre stod:  Brathair   12 (1), 2012: 161-183.ISSN 1519-9053   http://www.brathair.com164 A Batalha de Maldon 01 – 28  ... estava quebrado. Ele, então, ordenou a cada um dos jovens guerreirospara soltarem seus cavalos, leva-los para longe e continuarem a pé e voltarem suasmentes para suas mãos e para a grandiosa coragem. Quando os companheiros de Offadescobriram que o nobre não toleraria a preguiça, ele deixou que seu amado falcãovoasse de sua mão pela floresta e para a batalha avançou; por este homem puderamperceber que o jovem guerreiro não fraquejaria em combate, quando pegasse em armas.Junto a ele Eadric desejava estar com seu senhor, seu líder em batalha, e começou entãoa carregar sua lança para o combate. Ele teve bons sentimentos por tanto tempo quantoele pode segurar com suas mãos o escudo e a espada larga; ele cumpriu com seu votoquando teve de lutar à frente de seu senhor. Então, Byrhtnoth começou a organizar osguerreiros, cavalgou e instruiu, explicou aos homens como eles deviam ficar e comomanter aquela posição, e ordenou que eles segurassem seus escudos corretamente,firmes em suas mãos, e que eles não se apavorassem de modo algum. Quando eleorganizou aquela tropa de forma adequada, ele desmontou no meio das pessoas onde eramais agradável para ele estar, onde ele sabia que seu bando de nobres era o mais leal.Então o mensageiro dos vikings permaneceu na margem, gritando de forma decidida,dizendo com palavras, que ameaçadoramente anunciava a mensagem para o nobre queestava lá sobre a (outra) margem do rio:  Brathair   12 (1), 2012: 161-183.ISSN 1519-9053   http://www.brathair.com165 "Me sendon to þe sæmen snelle,30heton ðe secgan þæt þu most sendan raðebeagas wið gebeorge; and eow betere isþæt ge þisne garræs mid gafole forgyldon,þon we swa hearde hilde dælon.Ne þurfe we us spillan, gif ge spedaþ to þam;35we willað wið þam golde grið fæstnian.Gyf þu þat gerædest, þe her ricost eart,þæt þu þine leoda lysan wille,syllan sæmannum on hyra sylfra domfeoh wið freode, and niman frið æt us,40we willaþ mid þam sceattum us to scype gangan,on flot feran, and eow friþes healdan."Byrhtnoð maþelode, bord hafenode,wand wacne æsc, wordum mælde,yrre and anræd ageaf him andsware:45"Gehyrst þu, sælida, hwæt þis folc segeð?Hi willað eow to gafole garas syllan,ættrynne ord and ealde swurd,þa heregeatu þe eow æt hilde ne deah.Brimmanna boda, abeod eft ongean,50sege þinum leodum miccle laþre spell,þæt her stynt unforcuð eorl mid his werode,þe wile gealgean eþel þysne,æþelredes eard, ealdres mines,folc and foldan. Feallan sceolon55hæþene æt hilde. To heanlic me þinceðþæt ge mid urum sceattum to scype gangonunbefohtene, nu ge þus feor hideron urne eard in becomon.Ne sceole ge swa softe sinc gegangan;60us sceal ord and ecg ær geseman,grim guðplega, ær we gofol syllon."
Recommended
View more...
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks